Ocorreu um erro neste gadget

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

OS FRUTOS DA OBEDIENCIA

TEMA: Dt 26:32 INTRODUÇÃO: • Era comum, no Antigo Oriente que se acrescentasse às condições de uma aliança, pacto ou acordo, uma série de bênçãos ou maldições que deveriam cair, respectivamente, sobre os que cumpriam ou deixavam de cumprir o estipulado. Deus colocou diante do seu povo a escolha: a bênção ou a maldição. Se obedecessem à Palavra de Deus e permanecessem separados do pecado e da iniqüidade das nações em redor, a bênção do Senhor viria e ficaria com eles. Moisés profetizou as conseqüências para quem se desviasse do Senhor (maldições). Outros profetas também advertiram a Israel. Se Israel fosse fiel, em suas relações com Deus, prosperaria em todos os sentidos caso contrário, sofreria. • Deus quer fazer prosperar o Seu povo e, para isso, deu-lhe muitas promessas. Todavia, é uma verdade também que as bênçãos prometidas estão condicionadas a uma vida obediente aos princípios esposados na Sua Palavra. O segredo, pois, de um viver abençoado e próspero, é um correto relacionamento com Deus. • Tanto a Obediência como a Maldição é um fruto das escolhas que fazemos na vida. É uma semeadura e colheita, Gl 5:19 à 24 I - A OBEDIÊNCIA A DEUS É A CONDIÇÃO PARA VERDADEIRA PROSPERIDADE. • A palavra “bênção” (Gr. Eulogia) significa 5 coisas: 1) Uma dádiva divina que faz prosperar o trabalho, 2) a presença divina conosco, 3) a dotação de força, 4) poder e ajuda divina, e por fim, 5) é Deus operando em nós e através de nós para realizar o bem. No Antigo Testamento, em geral, a bênção refere-se a bem-estar terreno, segurança, poder, riqueza, descendência, etc., e essa bênção está expressamente condicionada à obediência aos mandamentos de Deus. Vejamos: Moisés instruiu o povo para obediência ao Senhor Josué e os israelitas comprometeram-se a obedecer à Palavra para serem prósperos José foi um grande exemplo de prosperidade no Egito através da obediência ao Senhor O rei Davi aconselha Salomão à obediência para que ele fosse próspero em tudo Uzias também é um exemplo de prosperidade pela obediência a Deus Daniel prosperou na Babilônia por sua obediência e fidelidade a Palavra de Deus O livro dos Salmos inicia falando como alcançar a verdadeira prosperidade Todos os que amam ao Senhor prosperarão (Sl 122.6). • A OBEDIENCIA COMO FONTE DE BÊNÇÃO: Gn 22:1-19 – A expressão “tentou Deus a Abraão” é traduzida na versão ARA (Almeida Revista e Atualizada) como “pôs Deus Abraão à prova”. Deus testa a obediência do crente! (1) – UM “ISAQUE” PARA SACRIFICAR – Gn 22.2 – Toda bênção tem um preço! Querer ser abençoado sem, contudo, entregar “o Isaque” para o sacrifício, é impossível. Infelizmente, multiplica-se o número de crentes que estão correndo atrás da bênção, mas que não demonstram, no seu dia a dia, uma vida submissa aos princípios do evangelho. Vale ressaltar: Sob a lei mosaica, o sacrifício era de um animal morto; sob a graça, o sacrifício é do crente vivo – Rm 12.1-2. (2) – UM “MORIÁ” PARA ESCALAR – Gn 22.2 - É necessário “subir o Moriá” de Deus e encontrar a bênção no seu cimo!  A Palavra de Deus mostra que, como princípio, subir o monte está associado à necessidade de buscar ou subir até a presença de Deus, e não à geografia de um lugar – Jo 4.20-24 - O monte pode ser o nosso quarto, ou o templo da igreja, ou, ainda, qualquer outro lugar.  I Rs 20.23-28 - Os servos do rei Ben-Hadade disseram que Israel só tinha obtido vitória porque o Deus de Israel era apenas Deus dos MONTES; se eles pelejassem contra Israel na planície, ou seja, no VALE, certamente Israel seria derrotado e destruído. Pelejaram contra Israel novamente, desta vez no VALE. Deus usou um profeta e falou para o rei de Israel: “Vou mostrar e provar para eles que Eu Sou Deus tanto dos MONTES QUANTO DOS VALES”. Travaram outra batalha e Israel venceu. Nosso Deus é Deus em todos os lugares! Não importa onde estejamos: Se no vale, ou no monte. O que importa é a presença do Senhor na nossa vida! Ele é Deus tanto dos MONTES QUANTO DOS VALES. (3) – UM ALTAR PARA EDIFICAR – Gn 22.9 – Abraão era um adorador; aonde chegava, construía um altar – Possuir bens, riquezas ou posses só faz sentido de fato se o Senhor é reconhecido como sendo a fonte delas. O que se observa é que muitos cristãos querem, a todo custo, ser abençoados, mas fracassam em se submeter ao senhorio do Senhor. Para estes, qualquer evangelho que fale em sacrifício ou renúncia, é tido como legalista. Guardemos: A obediência a Deus é a chave para a construção de um relacionamento sadio com o Senhor. • Deus quer a obediência de um filho, e não de um escravo. O filho obedece porque ama; o escravo, porque é obrigado! II - A DESOBEDIÊNCIA É A CAUSA DA MALDIÇÃO. • Quando analisamos a história de Israel, fica evidente que o povo de Deus recebeu o direito de escolher se desejava ou não ser abençoado por Ele. • A desobediência a Deus e sua Palavra trouxe a Israel 6 conseqüências: 1) A desobediência quebra pactos com Deus (Dt 27.15-26); 2) A desobediência traz prejuízos ( 1Sm 3.13); 3) A desobediência traz quebras de alianças (1Sm 13.9); 4) A desobediência traz graves conseqüências (Dt 28.18-25); 5) A desobediência traz derrota (2Rs 24.14-15); 6) A desobediência leva ao cativeiro ( Is 5.13; Jr 13.19; Am 5.27; 6.7; 7.11-17). • “Fica, pois, estabelecido que a maldição, que vem como resultado da desobediência ocorre quando há uma quebra da aliança. Observa-se que assim como a bênção está associada à obediência a Deus, da mesma forma a maldição vem associada à desobediência. (A) – Em Gn 3.14, 17, a maldição vem como uma declaração de punição e como conseqüência da queda do primeiro casal; (B) – Em Jr 11.3, a maldição aparece como um proferir de ameaças e como conseqüência da quebra da aliança com o Senhor; (C) – Em Dt 27.15-26 e 28.16-19, a maldição aparece como uma proclamação de leis e como conseqüência da quebra da aliança com o Senhor. • São nove os requisitos (ou normas, ou leis) exigidos para se fazer aliança com alguém: 1.1- TROCA DE CINTO (ou de armadura, ou de armas): Significa proteção, quem luta contra mim luta contra ti e quem luta contra ti, luta contra mim. (CINTO ERA USADO PARA CARREGAR ARMAS). 1 Sm 18.3 "Então Jônatas fez um pacto com Davi, porque o amava como à sua própria vida. 4 E Jônatas se despojou da capa que vestia, e a deu a Davi, como também a sua armadura, e até mesmo a sua espada, o seu arco e o seu cinto." 1.2- TROCA DE TÚNICA (ou Capa): Significa que tua vida se torna minha vida e que minha vida se torna tua vida. Era complemento do primeiro tópico. 1.3- CORTE COM DERRAMAMENTO DE SANGUE: Significa cortar aliança com. Sangue é vida, nossas vidas se unem para sempre, eternamente. Corte geralmente feito no pulso ou na mão; no caso de Abrahão, o sinal foi feito na carne do prepúcio, a operação da fimose. Gn 17.11 "Circuncidar-vos-eis na carne do prepúcio; e isto será por sinal de pacto entre mim e vós." 1.4- TROCA DE NOMES: significa que o meu nome passa a ter direito sobre tudo o que o teu nome tem e o teu nome passa a ter direito sobre tudo o que o meu nome tem direito, inclusive dívidas. (Gn 17.5/28.13). Eu passo a ter um pedaço do seu nome e você passa a ter um pedaço do meu nome. Gn 17.4 "Quanto a mim, eis que o meu pacto é contigo, e serás pai de muitas nações; 5 não mais serás chamado Abrão, mas Abraão será o teu nome; pois por pai de muitas nações te hei posto;" 1.5- TERMOS DA ALIANÇA: Significa: leis que vão reger a aliança se mantida ou se quebrada. (Todo o capítulo de Dt 28, fala de bênçãos e maldições da aliança) AbraHão, recebe promessas, homem pecava, mas prevaleciam as promessas, foi necessário acrescentar leis, continuaram a transgredir e foi necessário acrescentar os cerimoniais que acabam não sendo suficientes para a purificação do homem; DEUS enviou seu filho para um único e perfeito sacrifício. 1.6- REFEIÇÃO DA ALIANÇA: Significa: tudo o que eu como vai para o meu sangue e sangue é vida, então a minha vida se torna a tua e tua vida se torna minha; CRISTO, em Melquisedeque faz refeição com AbraHão. Gn 14.18 Ora, Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; pois era sacerdote do Deus Altíssimo; 1.7- e abençoou a Abrão, dizendo: bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, o Criador dos céus e da terra! 20 E bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos! E Abrão deu-lhe o dízimo de tudo. 1.8- MORTE DE UM ANIMAL OU PASSAR PELAS METADES: Significa: estamos morrendo e nascendo de novo, também significa: Que eu morra se não cumprir e que tu morras se não cumprir. Colocava-se uma parte do animal de um lado e outra parte do outro lado e depois os cabeças de aliança, ou chefes, passavam pelas metades de braços dados, dando a entender que: ***Este sinal significa infinito; a aliança passa de pai para filho, é eterna. ***Daí a aliança ser um círculo, significa eternidade; sem princípio e nem fim. Jr 34. 18 Entregarei os homens que traspassaram o meu pacto, e não cumpriram as palavras do pacto que fizeram diante de mim com o bezerro que dividiram em duas partes, passando pelo meio das duas porções. 1.9- ÁRVORE OU ANIMAL MANCHADO DE SANGUE (poderia também plantar uma árvore para servir de memorial): - Abrahão plantou um bosque. - Significa a lembrança da aliança, toda vez que olhar pra lá, devem lembrar da aliança. NOVA ALIANÇA ***BHÊRITE (ALIANÇA EM HEBRAICO) = A aliança anterior é feita em base de igualdade, é uma troca, um acordo em que Deus me dá e eu tenho que dar para o mesmo ***DIATEKE (ALIANÇA EM GREGO) = A nova aliança é diferente, é superior, pois Deus me dá tudo o que preciso não exigindo nada em troca, a não ser fé. Eu não tenho nada de bom a oferecer, só de ruim: pecado e iniqüidade; mesmo assim, Deus me recebe como cabeça de aliança e me da salvação e todas as benção provindas daí: Batismo com o Espírito Santo, dons do Espírito Santo, Participação no Ministério, etc... ***JESUS CUMPRINDO CADA PASSO DA ALIANÇA: 1. TROCA DE CINTO: Ef 6.10-18 ARMAS. 2. TROCA DE TÚNICA: Fl 2.6-11 Vestes de santidade e de salvação 3. CORTE COM DERRAMAMENTO DE SANGUE: Circuncisão interior. Rm 2.28 "Porque não é judeu o que o é exteriormente, nem é circuncisão a que o é exteriormente na carne. 29 Mas é judeu aquele que o é interiormente, e circuncisão é a do coração, no espírito, e não na letra; cujo louvor não provém dos homens, mas de Deus." 4. CICATRIZ: Jo 20.20 – Significa que quando satanás nos quer dominar, devemos lembrar-lhe de que lá no céu JESUS CRISTO tem as marcas da aliança, provando que nos comprou e que temos com ELE uma aliança; somos de DEUS, pois JESUS nos comprou com seu sangue. Jo 20.27 Depois disse a Tomé: Chega aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; chega a tua mão, e mete-a no meu lado; e não mais sejas incrédulo, mas crente. 5. TROCA DE NOMES: JESUS gostava de se chamar "filho do homem", nós gostamos de ouvir o ESPÍRITO SANTO testificar com nosso espírito que somos filhos de DEUS. Rm 8.16 "O Espírito mesmo testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus;" Ef 1.13 "No qual também vós, tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, e tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa, 14 o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para o louvor da sua glória." 6. TERMOS DA NOVA ALIANÇA: Condições para entrar = Ef 2.8 "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé, e isso não vem de vós, é dom de Deus; 9 não vem das obras, para que ninguém se glorie." Só tem bênçãos, pegue o Novo Testamento e saberá quais são. – Se creres verás a glória de DEUS. (Rm 5.1,2; Hb 10.16). Todas as maldições JESUS já levou na cruz do calvário. Gl 3.13 7. REFEIÇÃO DA ALIANÇA: Ceia com os discípulos antes de morrer e conosco renovada sempre NA CEIA. 8. MORTE DE UM ANIMAL: 1 Pd 1.18 sabendo que não foi com coisas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados da vossa vã maneira de viver, que por tradição recebestes dos vossos pais, 19 mas com precioso sangue, como de um cordeiro sem defeito e sem mancha, o sangue de Cristo, 9. ARVORE MANCHADA DE SANGUE: Cruz ensangüentada no calvário. Palavra fez um corte profundo em nós  O A.T é rico em ilustrações que revelam situações em que o afastamento da palavra de Deus provocou derrota, caos e maldições. Vejamos algumas: (1) – QUANDO A PALAVRA DE DEUS ESTÁ PERDIDA DENTRO DA CASA DO SENHOR – II Cr 34.14-15 – O Livro da Lei era, mais especificamente, o livro de Deuteronômio. A pena destas maldições (Dt 28) era freqüentemente citada para chamar Israel de volta à adoração a Jeová. Provavelmente foi a leitura de Dt 28 que alarmou o rei Josias e resultou em suas grandes reformas. • No período em que o povo de Israel perdera completamente o contato com a Palavra do Senhor, ocorreram os pecados mais grosseiros – II Cr 33.3, 22. (2) – QUANDO A PALAVRA DE DEUS SE TORNA ESCASSA – I Sm 3.1 – A expressão “de muita valia” possui o sentido de “raridade”. A idéia é que, nos dias do profeta Samuel, a Palavra de Deus não era muito popular entre o povo. As conseqüências da ausência da Palavra do Senhor são vistas no estado de anarquia que as tribos de Israel se encontravam. Eli já não exercia influencia nem mesmo sobre a sua família – I Sm 3.13 (3) – QUANDO A PALAVRA DE DEUS É DESPREZADA – Jr 35.1-19 – A história dos recabitas causa impacto pelo zelo demonstrado por esta família. Deus a tomou como modelo para confrontar a desobediência do Seu povo. • Ao contrário dos recabitas, eles não valorizavam a Palavra de Deus. Os recabitas eram um modelo de obediência, pois, tendo recebido uma ordem apenas humana, obedeceram; os judeus, ao contrário, mesmo recebendo um mandamento divino, não obedeceram! • Fazendo-se uma análise entre a primeira e segunda parte do capítulo 28 de Deuteronômio, observamos um enorme contraste: (A) – Na primeira metade, encontramos o caminho para as bênçãos; na segunda, nos deparamos com a maldição como o inverso de tudo isso; (B) – Na primeira parte, as bênçãos são prometidas; na segunda, são retiradas; (C) – Na primeira parte, as bênçãos são acrescentadas; na segunda, são subtraídas. Todas as maldições são acrescidas àquelas já enumeradas no capítulo 27. A razão que é dada na Bíblia para justificar a perda da bênção, é a desobediencia à Palavra de Deus. Por isso: (1) – TENHAMOS CUIDADO COM OS PECADOS DE NATUREZA ESPIRITUAL – Dt 27.15 – A idolatria é colocar qualquer coisa ou pessoa em lugar de Deus. A maldição, vez por outra, alcançava o povo de Deus no Antigo Pacto porque o Senhor era preterido em Seu culto. O texto destaca que esse ídolo, quando adorado, ficava no lugar oculto. Os ídolos gostam de ficar em lugares secretos, no recôndito do coração. (2) – TENHAMOS CUIDADO COM OS PECADOS DE NATUREZA SOCIAL – Dt 27.16 – O desprezo pelos pais é um pecado tão odioso que é posto próximo ao desprezo do próprio Deus. Se um homem abusasse de seus pais, ou em palavra ou ação, ele caía sob a sentença do magistrado, e era posto à morte – Ex 21.15, 17 (3) – TENHAMOS CUIDADO COM OS PECADOS DE NATUREZA SEXUAL – Dt 27.20-23 – O pecado sexual escraviza. Nesta época de TV digital e internet sem fio, devemos manter vigilância total para que a nossa sexualidade não se transforme em um instrumento do pecado. O Senhor é bom e nos manda fugir da impureza – I Cor 6.18. CONCLUSÃO: • Em Dt 28.15-68 vemos uma extensa lista de infortúnios para aqueles que quebrassem a aliança do Antigo Pacto. A intenção evidente dessa passagem é advertir o povo sobre as graves conseqüências que o pecado de desobediência poderia trazer no futuro. As conseqüências seriam de quatro naturezas: (A) – MATERIAIS – Prejuízo no campo e nos animais – Dt 28.18, 20, 22-23; (B) – FÍSICAS – pestes e doenças – Dt 28.20-22; (C) – EMOCIONAIS E ESPRITUAIS – derrotas, loucura, depressão, angústia – Dt 28.25, 28, 52. • O cristão, debaixo da Nova Aliança, não necessita participar de nenhum ritual de quebra de maldição, posto que as Escrituras afirmam que Cristo já nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós – Gl 3.13 cf Ef 1.3 – Somos abençoados e não amaldiçoados. Entretanto, embora o cristão não esteja mais debaixo de maldição, o N.T. traz a lei da semeadura e da colheita, através da qual seremos responsabilizados diante de Deus por nossas ações – Gl 6.7. • Quando deixamos de obedecer a Deus estamos desprezando a Sua bênção. Essa é a motivação correta para obedecer a Deus: o amor a Ele. • Deuteronômio 28 nos fala de alguns benefícios que vem como conseqüência da obediência. 1) Teremos filhos abençoados (v.4a). Muitos pais sofrem com os filhos. Obedecer a Deus pode mudar essa história. 2) Seremos bem sucedidos em nossos empreendimentos (v.4b e 5). Quando temos a palavra de Deus a nos orientar nossos empreendimentos nunca são de risco. Ela é a luz que orienta os passos. Podemos ter lutas e aflições no processo, mas o fim do empreendimento será um sucesso. 3) Estaremos protegidos por Deus (v.7). Esse texto nos diz que os que se levantarem contra nós serão derrotados. Devemos ter cuidado com o orgulho e arrogância. Muitos acham que ninguém pode contrariá-los só porque são cristãos; isso é um erro. Todos os que se levantam, contra aquele que obedece a Deus são derrotados porque na verdade se levantam contra a vontade de Deus, e Deus cuida para que a sua vontade se cumpra (Jeremias 1:12). 4) Seremos prósperos (v.8 e 12). Deus nos abençoa com prosperidade quando o nosso coração não está nas riquezas, e também quando não a usamos com motivos egoístas. Quero ressaltar aqui que você não precisa correr atrás da bênção de Deus, se você obedecer a Deus a bênção Dele te alcançará (Deut.28:2); é questão de tempo. É só esperar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários serão lidos pelo autor, só serão respondidos os de grande relevancia teológica, desde já agradeço pela visita.