Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 22 de maio de 2012

OS MALES DA INVEJA NA VIDA ESPIRITUAL

• Aristóteles definia ciúmes como o desejo de ter o que outra pessoa possui. Era originariamente uma palavra boa e referia-se ao desejo de imitar uma coisa nobre da outra pessoa. Mais tarde a palavra passou a ser associada com um desejo lascivo daquilo que pertencia a outra pessoa. Salomão reconheceu a vaidade (inutilidade) desse pecado quando disse: Eclesiastes 4:4 "Então vi que todo trabalho e toda destreza em obras provêm da inveja do homem contra o seu próximo”. • Os irmãos invejosos e competitivos cobrem o seu pecado com debates "consagrados" sobre as palavras e sobre as questões controversas (1 Timóteo 6:4-5). Ninguém acusou os apóstolos durante o ministério de Jesus de fornicação, impureza, sensualidade, idolatria, feitiçaria, embriaguez e orgias ¬, mas na noite antes de Jesus morrer, eles eram invejosos e cheios de contenda (Lucas 22:24). Não é necessário participar do trabalho da igreja por muito tempo para descobrir que fonte eterna de problemas é a inveja. Provérbios 14:30 O sentimento sadio é vida para o corpo, mas a inveja é podridão para os ossos. • Nas palavras de Salomão podemos perceber alguns aspectos da inveja que prejudicam a vida espiritual. I. A INVEJA ATRIBULA O CORAÇÃO. 1. O “ânimo sereno” (v.30) é o mesmo que tranquilidade. Salomão afirma que o vigor da carne depende desse ânimo. Precisamos cultivar a tranquilidade de espírito que recebemos de Deus. Não podemos conviver com a sensação de que estamos em desconformidade com o senhor. 2. A inveja agita o coração por causa da prosperidade do próximo. Logo, o invejoso convive com a tribulação de espírito. Não é assim que o cristão deve viver. Sua vida goza a paz e a alegria com a prosperidade dos seus irmãos. II. A IVEJA CORRÓI O AMOR DO CORAÇÃO. 1. A vida do invejoso não vive o verdadeiro amor. Paulo disse que: “o amor não arde em ciúmes” (1 Coríntios, 13:4) (ARA), ou “não inveja” (NVI). Quem diz amar e permanece com o espírito invejoso está enganando-se. O amor não permite a inveja no coração. 2. A inveja é como um câncer na alma que destrói as células do amor. Por isso, Salomão disse: “a inveja é a podridão dos ossos” (v.30). A inveja precisa ser tratada antes que nos faça escravos da malícia. A inveja impede que expressemos o favor comum no coração dos que amam. III. A INVEJA CONDUZ À MORTE. 1. A tranquilidade dá vigor à carne, enquanto a inveja conduz à morte. Ela é um câncer em crescimento, pois não permite o crescimento espiritual (v. 30 “podridão dos ossos”). O crescimento espiritual é visto em nossos relacionamentos com os nossos irmãos. A inveja polui as amizades, levando ao fim delas. 2. A inveja impossibilita o homem de agradar a Deus. Quem não agrada a Deus está morto espiritualmente. A inveja é abominável aos filhos de Deus. Os verdadeiros filhos sabem que não podem agradar ao seu pai quando estão em desobediência a ele. A vida estar na obediência à vontade de Deus. CONCLUSÃO: Não permita que a tristeza da inveja tome conta do seu coração. O Senhor não se agrada da vida do invejoso, pois não pode expressar o verdadeiro amor.

Um comentário:

  1. Muito bom,esclarecedor o seu texto,gostei demais e agradeço pela oportunidade de lê-lo,meu amigo.Meu abraço,na Paz de Jesus!

    ResponderExcluir

Os comentários serão lidos pelo autor, só serão respondidos os de grande relevancia teológica, desde já agradeço pela visita.