Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 24 de novembro de 2013

AINDA HÁ LUGAR

TEXTO: Lc 14:22
INTRODUÇÃO:

·      Jesus estava no final do seu ministério terreno, era a semana da Páscoa. Era um sábado, Jesus entrara na casa de um dos principais fariseus para comer pão. Na casa estava um homem hidrópico, que é uma doença de acumulo de líquido no tecido celular e Jesus o curou no cumprimento de mais uma jornada, em sua gloriosa missão terrena.
·      E reparando que os que ali se achegavam tomavam os primeiros lugares Jesus lhes ensina sobre o hóspede ambicioso então, um dos que estavam à mesa não se conteve, e disse a Jesus: “Bem-aventurado o que comer pão no reino de Deus”.
·      “comer pão” é uma expressão idiomática do Oriente Médio. Ela significa participar de uma refeição. Enquanto os outros calados, aquele homem entendeu bem a mensagem de Jesus e seu  sentido espiritual.
·      Jesus então lhe disse: Certo homem fez uma grande ceia e convidou a muitos.
ð No Oriente naquela época, era de praxe quando se convidavam os homens de posição e influência, enviarem dois convites para uma festa; o primeiro era um convite preliminar, a fim de comunicar aos convidados que fizessem os preparativos necessários para atenderem a festa; esse convite foi aceito com satisfação; o segundo veio mais tarde e chamava a presença dos convidados para a festa que agora já estava preparada. Nessa parábola, o segundo convite foi recusado com várias desculpas.

1.             OS CONVIDADOS PARA A CEIA.

a)   Os convidados para a festa se referem, em primeiro lugar, ao povo judeu. Em Is 25:6 vemos uma mensagem profética, através da qual Deus prepararia uma grande festa para Israel, no futuro, quando a nação se convertesse espiritualmente por ocasião do milênio de Cristo. A grande ceia, na parábola, prefigura o banquete, a ser realizado nos céus, por ocasião das Bodas do Cordeiro. Dele participarão todos os que aceitaram o convite para a Salvação, em Cristo Jesus Ap 19:9 E disse-me: Escreve: Bem aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. E disse-me: Estas são as verdadeiras palavras de Deus.

b)   Lc 14.17 O servo que saiu com o primeiro convite simboliza os que Deus comissionou para chamarem os judeus, a fim de se prepararem para a vinda do Messias. Jeová convidara Israel ao arrependimento Jr 35.15 “... convertei-vos, convertei-vos dos vossos maus caminhos; pois por que razão morrereis, ó casa de Israel?”. Se não bastasse o convite, através dos profetas do Antigo Testamento, Deus mandou João e logo depois Jesus, o Messias, como Enviado Especial.
c)    Entre os orientais, um convite só era aceito, se fosse formulado duas vezes. Um, antes da festa, o qual exigia a confirmação de que fora aceito. O outro, quando tudo estivesse pronto, “à hora da ceia”. Na verdade, o primeiro convite foi feito duas vezes a Israel. Uma, pelos profetas e outra, por Jesus Cristo, mas o convite foi ignorado.

ð Nada justificava a ausência dos convidados, com desculpas sem sentido. Vejamos o porquê:

1.             “Comprei um campo...” Lc 14.18: Àquela hora, era tal desculpa um insulto ou uma falta grave não comparecer à festa. A comida já estava à mesa. À época da parábola, ninguém comprava um campo “sem conhecer cada metro quadrado dele como a palma da sua mão”. Além disso, a ceia era oferecida ao escurecer do dia. Não justificava alguém ir olhar um campo de noite.
ð Aquele convidado é típico das pessoas que, ao ouvirem o Evangelho dão mais valor à terra do que ao Senhor Jesus.
ð O problema é que ele estava mais preocupado com o seu investimento do que com a Ceia, estão mais preocupados com as suas posses, do que com a riqueza espiritual. Fp.2.21 Porque todos buscam o que é seu e não o que é de Cristo Jesus.
ð Jesus disse: Quão dificilmente entrarão no reino de Deus os que têm riquezas.

2.             “Comprei cinco juntas de bois...” Lc 14.19: No Oriente Médio, se alguém comprava bois, examinava-os primeiro, antes de fechar o negócio, ao observar se os animais aravam com os outros. E isso era feito à luz do dia. No caso, o convidado disse já os ter comprado. Além disso, a ceia era à noite e ninguém ia experimentá-los àquela hora. Mesmo com a (falsa) cortesia da desculpa, o convidado dava mais valor aos bovinos do que ao convite do dono da festa.
·      Hoje, ainda acontece a mesma coisa. Esse convidado representa os que estão tão envolvidos com suas ocupações que não concedem qualquer tempo ou oportunidade para cuidar dos interesses da alma.

3.             “Casei, Não posso ir” Lc 14.20: O que deu essa desculpa foi o mais rude, deselegante, visto que, como os outros, já houvera recebido o convite e, certamente, confirmado sua participação, como era o costume, e nem sequer pediu para ser escusado. É um tipo de pessoa em que as preocupações domésticas controlam o seu tempo e pensamentos, amam mais os outros, ou os familiares do que a Jesus. Casar não é errado. É a vontade de Deus. Entretanto, quem ama mais o cônjuge do que a Cristo, não digno dele Mt 10.37 Quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim.
·      A união conjugal e os deveres familiares nunca devem nos separar de Deus.

2.             O SEGUNDO CONVITE (A GRAÇA É OFERTADA).

·      A indignação do dono da festa: Na parábola, o anfitrião, indignado, mandou que o servo saísse depressa e convidasse os indesejáveis, os pobres, os cegos, os aleijados e os mancos. Espiritualmente, quem seriam eles?

1)   Os pobres: Eram os gentios, considerado os deserdados das riquezas de Deus. Entretanto, na sua graça abrangente, o Senhor convidou os que não podiam adquirir a salvação por meios materiais. Is 55:1 “Ó vós, todos os que tendes sede, vinde às águas, e os que não tendes dinheiro, vinde, comprai, e comei; sim, vinde e comprai, sem dinheiro e sem preço, vinho e leite”. Num sentido mais amplo, os pobres são todos os homens, que não possuem o suficiente para comprar a salvação Sl 49.6-8: Aqueles que confiam na sua fazenda, e se gloriam na multidão das suas riquezas, Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, ou dar a Deus o resgate dele. (Pois a redenção da sua alma é caríssima, e cessará para sempre), Para que viva para sempre, e não veja corrupção.

2)   Os aleijados: Os gentios eram “aleijados”, devido sua formação espiritual deformada pela religiosidade do Budismo, Hinduísmo, Espiritismo, pelas filosofias, pelos sofismas. Jesus, o médico divino, trouxe a cura espiritual e física aos enfermos.
3)   Os cegos: Eram os que integravam Mt 4.16 “O povo que estava assentado em trevas” e “viu uma grande luz” e “os que estavam assentados na região e sombra da morte”,  “a luz raiou”. Jo 8.12 Jesus veio convidar os homens a serem curados de sua cegueira espiritual, ao se apresentar como a luz do mundo.
4)   Os mancos: Eram os que não tinham firmeza na sua fé. Coxeavam entre dois pensamentos. Hoje, ainda há muitos mancos espirituais. Mas Deus quer lhes dar firmeza em seus passos Sl 40.2 Tirou-me dum lago horrível, dum charco de lodo, pôs os meus pés sobre uma rocha, firmou os meus passos.

3.             O ÚLTIMO CONVITE (A GRAÇA CONTINUA SENDO ESTENDIDA)

ð Ainda há lugar Lc 14.22-24: O servo da parábola, obediente ao voltar ao seu Senhor e lhe diz, fiz como ordenaste, mais ainda há lugar. É uma figura espiritual da grandeza do reino de Deus. Por mais que se pregue o Evangelho, enquanto a porta não se fechar, sempre haverá lugar para um pecador arrependido que atenda ao convite de Jesus. Ele disse: Mt 11.28 “Vinde a mim, todos...”.
ð Forçados a entrar Lc 14.23: Como a casa não ficou cheia, o dono da festa ordenou que fosse levado um terceiro e último convite aos que estavam pelos “caminhos e valados”,
ð Pelos caminhos e valados estão os mais miseráveis do mundo, os piores pecadores. A Igreja de Jesus deve levar o Evangelho aos bêbados, aos drogados, às prostitutas e aos prostitutos, aos homossexuais, aos meninos de rua, lembrando que tais pessoas podem estar tanto na periferia das cidades, como nas escolas, nas universidades ou nos palacetes.
ð Este convite é o da última hora, antes da vinda de Jesus. AINDA HÁ LUGAR.

1)   Hoje, ainda há lugar. Ontem, o dia que passou. Amanhã um dia duvidoso. Hoje o dia oportuno. Jesus disse ao ladrão na cruz: “Hoje estarás comigo no paraíso” Lucas 23:43. Sim, amados, hoje ainda há lugar. Hoje, agora, é o dia oportuno.

2)   Ainda há lugar no céu. Naturalmente, ao falarmos de “lugar” no céu, estamos usando uma linguagem figurada, pois o céu não é um lugar com espaço limitado. O termo “lugar” aqui tem conotação com “oportunidade”.
1. O céu é um lugar perfeito. Perfeito em dimensão, perfeito em estrutura, perfeito em propósito, perfeito em natureza, para sempre perfeito em tudo. O céu é perfeito porque é a morada de Deus e porque nele não entra pecado.
2. O céu é um lugar aberto. O céu está aberto a todos os que aceitam a Cristo como perfeito e suficiente Salvador. O céu está aberto aos que lavam suas vestiduras no sangue do Cordeiro. O céu é o lar dos remidos por Cristo. O céu é o lar e a pátria definitiva do povo salvo, a Igreja de Jesus.
3. O céu é um lugar acessível. Jesus disse João 14:2: “Na casa de meu pai há muitas moradas”. Ainda há lugar no céu.

Lucas 19:10 “Porque o filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido”
 
CONCLUSÃO: Hoje é o dia oportuno de salvação, ainda há lugar para os que aceitam o convite do Salvador. O dia de Deus é o dia que se chama hoje.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários serão lidos pelo autor, só serão respondidos os de grande relevancia teológica, desde já agradeço pela visita.