Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 13 de abril de 2011

O PODER DA LÍNGUA

TEXTO: Tg 3: 1 a 12
INTRODUÇÃO:

• Eu não tenho duvida nenhuma, que você, não importa a idade que você tem, já viu e já testemunhou coisas fantásticas, sublimes, extraordinárias de pessoas que foram levantadas e curadas, refeitas, reanimada, por uma palavra boa.
• A palavra Boa é como medicina, traz cura, a pessoa está abatida, triste, desanimada, aflita, sem sonhos, derrepente alguém chega com uma palavra oportuna, própria; e essa palavra como bálsamo, como refrigério do céu, traz um novo ânimo e um novo alento, para essa pessoa.
• Entretanto nós também podemos perceber pessoas, famílias, comunidades, que são minadas e destruídas, por causa da palavra; palavra que fere, palavra que agride, palavra que perturba, palavra que denigre, palavra que destrói.
• Provérbios 6:16 -19, vemos a lista de alguns pecados, que Deus rejeita, odeia, mas diz que ao sétimo pecado que a alma de Deus abomina. Se você perceber os 7 pecados, 3 deles estão ligados ao pecado da língua.
1. Língua Mentirosa
2. Testemunha falsa, que profere mentira
3. Pecado que Deus mais abomina é o que semeia contenda entre os irmãos.
• A língua pode ser uma fonte de vida ou um veneno mortífero. Pode dar vida ou matar.
• O homem tem conseguido domar toda espécie de feras, de aves, de répteis e de seres marinhos, mas a língua nenhum dos homens é capaz de domar. A língua é mal incontido, carregado de veneno mortífero (Tg 3.7,8).
• Tiago diz se você quer ser mestre, se você quer ser líder tome cuidado, o líder vai Ter um juízo maior.
• Quanto mais conhecimento você tem, quanto mais informação você tem, quanto mais experiência de vida você tem, mas responsável você se torna diante de Deus.
• E ai ele começa a colocar a questão da língua, num aspecto do tropeço, nós tropeçamos em muitas coisas, aquele que não tropeça no falar é perfeito varão, é capaz de manter o controle em todo o seu corpo.

TRANSIÇÃO: Tiago fala sobre quatro coisas que a língua é capaz de fazer.

1. A LINGUA É CAPAZ DE DIRIGIR (Tg 3.3,4).

• Tiago compara a língua ao freio do cavalo e ao leme do navio. Tanto o freio como o leme são instrumentos usados para controlar e dirigir. O freio controla e dirige o cavalo e o leme controla e dirige o navio.
• Um cavalo selvagem pode usar sua força para o mal e tornar-se uma ameaça, mas se domado e controlado pelo freio usará sua força para o bem.
 UM CAVALO INDOMÁVEL NÃO CARREGA CARGA (inútil para o serviço).
 UM CAVALO INDOMÁVEL NÃO SE FAMILIARIZA (vive correndo sem rumo).  UM CAVALO INDOMÁVEL NÃO SE DICIFICA (vive dando coices).
Mas se você coloca freio, nesse cavalo, e ele se submete a esse freio, você o conduz para onde você quer. E ai Tiago diz o seguinte: a língua é do mesmo jeito, se você consegue controlar a língua, você consegue resistir aos seus impulsos, a sua natureza.
• A outra figura que Tiago usa o leme, um navio transatlântico ele é dirigido para lá ou para cá, pelo timoneiro, através de um pequeno leme.
 UM NAVIO SEM LEME COMOLA EM RISCO A VIDA DOS TRIPULANTES.
 UM NAVIO SEM LEME COLOCA EM RISCO A CARGA.
 UM NAVIO SEM LEME É UM INSTRUMENTO DE MORTE.
 UM NAVIO SEM LEME É UM INSTRUMENTO DE NAUFRÁGIO.
 UM NAVIO SEM LEME É UM INSTRUMENTO DE LOUCURA.
• O leme pode conduzir esse grande transatlântico, fugindo dos rochedos, das rochas submersas, e pode transformar em paz e segurança os passageiros, os tripulantes e carga que nele está.
Tiago diz que a língua, um pequeno órgão tem o mesmo poder do freio e do leme. Ela pode governar e dirigir nossa vida para o bem ou para o mal (Tg 3.5). Com ela podemos nos livrar de terríveis acidentes ou podemos provocar imensos desastres.

2. A LINGUA É CAPAZ DE DESTRUIR (Tg 3.5b-8) –

• Tiago compara a língua ao fogo e ao veneno. Ambos são destruidores. Uma pequena fagulha coloca em chamas toda uma selva. Uma pequena dose de veneno pode matar uma pessoa rapidamente.
• E PARA INCENDIAR FLORESTA PRESCISA-SE:
1) ESPAÇO PARA O FOGO SE ALASTRAR.
2) DE VENTO PARA ESPALHAR O FOGO.
3) DE UM LOUCO INCENDIÁRIO.
• Uma das características do fogo é quem vai crescendo, vai aumentando, vai se agigantando, se alastrando, e aonde o fogo chega ele fere, destrói, ele provoca sofrimento e provoca destruição , provoca prejuízos.
• Nós as vezes fazemos um comentário, até jocoso, apenas brincadeira , apenas para descontrair, mas nós não podemos imaginar, o que uma palavra irrefletida, mentirosa, mal colocada, pode provocar pela frente.

 Então, irmãos temos que olhar três coisas
I – A língua é perigosa: ela é mundo de iniquidade, ela é fogo, ela coloca em destruição toda a carreira da vida humana,
II – A língua é indomável: a partir do verso 7 – diz o homem com o seu gênio, consegui domar as aves, os répteis e os peixes, consegui domar o que está no ar, na terra e na água. Mas ninguém conseguiu domar a língua, isso é impressionante, ninguém consegui domar a língua, é por isso Tiago diz se alguém conseguir dominar a língua é perfeito varão. Paulo disse o seguinte que a nossa palavra tem que passar por alguns crivos antes de falarmos.
I – É verdade II – É em amor III – É boa IV – É pura, edifica, transmite Graça, é com a pessoa direto.

• A maledicência destrói e mata. A boataria espalha-se como um rastilho de pólvora e destrói como um incêndio que se espalha numa floresta. É UM VENENO MORTÍFERO.

3. A LINGUA É CAPAZ DE DELEITAR E ALIMENTAR (Tg 3.9-12)
• Tiago prossegue em seu argumento dizendo que a língua é comparada a uma fonte (Tg 3.11) e a uma árvore frutífera (Tg 3.12).
• Tiago está dizendo o mesmo que Jesus Cristo disse, que a boca fala daquilo que o coração está cheio, se seu coração é mau, a palavra que vai sai é má, se seu coração, é um coração não está submetido a Deus, é isso que vai sair, ele diz da incoerência porque com a mesma língua que você glorifica a Deus e louva a Deus, você amaldiçoa o seu irmão, que foi criado a imagem e semelhança de Deus.
• A língua é capaz de praticar profundas contradições (Tg 3.9-12) – Tiago faz uma afirmação e depois revela uma incoerência. A afirmação demonstra o aspecto contraditório da língua: Com ela, bendizemos ao Senhor e Pai; também, com ela, amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus (Tg 3.9). Diz Tiago que de uma só boca procede bênção e maldição (Tg 3.10). Tiago, porém, argumenta que essa incoerência é uma prática inconveniente: “Meus irmãos, não é conveniente que estas cousas sejam assim” (Tg 3.10b). Tiago fecha a questão mostrando a impossibilidade de usarmos nossa língua para duas práticas tão contraditórias Tg 3.11,12: “Acaso, pode a fonte jorrar do mesmo lugar o que é doce e o que é amargoso? Acaso, meus irmãos, pode a figueira produzir azeitonas ou a videira, figos? Tampouco fonte de água salgada pode dar água doce”. Nossa língua é fonte de água doce ou salgada; é medicina ou veneno; é veículo para a glorificação de Deus ou ferramenta para amaldiçoar as pessoas. Não pode ser as duas coisas ao mesmo tempo.

• Sobre tudo na Palestina, de região áridas e secas, desedificadas, quando se fala em fonte, um lugar muitíssimo precioso, a fonte é lugar onde os sedentos, os cansados chegam e encontram alento, vida, força, ânimo, coragem.
• A fonte pode nos saciar e a árvore pode produzir frutos saborosos que nos alimentam. Nossa língua pode ser medicina. Nossas palavras podem ser boas para a edificação. Com a nossa língua podemos trazer refrigério e restauração para as pessoas.
• A língua é uma fonte, de vida, é uma fonte que traz refrigério, bálsamo, refresca a sua alma remova o seu animo, refazem as suas forças.

CONCLUSÃO:
• Nós podemos abençoar, nos podemos animar, nós podemos encorajar, nós podemos estimular, nós podemos colocar para a pessoa é possível, você vai conseguir; às vezes as palavras ditas dentro do lar, são de sua maioria palavras negativas, palavras pessimistas, palavras que colocam a pessoa para baixo, palavras de repreensão, palavras apenas de reprovação, e eu não estou dizendo que estas palavras não sejam necessárias, na hora certa, na hora oportuna, mas precisamos dosar, uma palavra boa, de encorajamento, de consolo, de animo, de esperança.
A nossa língua é como uma fonte, mas se você for usar a figura da arvore, está falando de fruto, e fruto é alimento, fruto renova as suas energias, a força, a sua saúde, que dá capacidade de viver. Nós podemos alimentar as pessoas, com a palavra boa, palavra de Deus, palavra de consolo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários serão lidos pelo autor, só serão respondidos os de grande relevancia teológica, desde já agradeço pela visita.