Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 16 de março de 2015

ALARGANDO AS FRONTEIRAS NA INTERCESSÃO

TEXTO: Ex. 17:8-16

INTRODUÇÃO:
q   Só conseguimos alargar as fronteiras de nossa vida quando investimos o nosso tempo na intercessão fervorosa junto ao Pai.
q   Vejamos, então, alguns destaques importantes sobre a oração:

1) Não Orar é pecado - (I Sm. 12:23)
A) Pecado de Omissão - Tg. 4:17 “Aquele, pois, que sabe fazer o bem e o não faz comete pecado”.
B) Pecado da Negligência - Zc. 12:10 “E sobre a casa de Davi e sobre os habitantes de Jerusalém derramarei o Espírito de graça e de súplicas”;  Não orar é negligenciar a maior necessidade do Espírito Santo que habita em nós, pois, Ele é o Espírito de súplicas.
C) Pecado da Desobediência - I Tm. 2:1 “Antes de tudo, pois exorto que se use a prática de súplica, orações, intercessões, ações de graças, em favor de todos os homens”.
D) Pecado Contra a Nossa Vida Espiritual - I Ts. 5:17 “Orai sem cessar”.

2)  Orar é Uma Necessidade - Sl. 63:1 “Ó Deus, tu és o meu Deus forte eu te busco ansiosamente; a minha alma tem sede de ti; meu corpo te almeja, como terra árida, exausta, sem água”.
è  Toda oração é uma aproximação do trono de Deus. A oração não é um ato casual ou trivial, mas um privilégio e necessidade surpreendentes para a vida do crente. A oração pessoal e clamorosa nos envolve de tal forma com o Pai que, a partir daí, não conseguimos mais parar de orar. “A falta de oração proclama para Deus e para Satanás que a nossa relação com Jesus não é tão amorosa nem íntima”.

3) Jesus e a Sua Vida de Oração.
A) Cristo Viveu Intensamente a Vida de Oração na Terra -  Hb. 5:7 “Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa da sua piedade”.
A vida de oração de Cristo não era para buscar poder do alto, mas para estar com o Pai. Orar era a respiração e alimentação de Cristo.

4) Jo. 13: 15 “Como Eu Vos Fiz Façais Vós Também”.
q   Orar é ser parecido com Jesus.
q   O texto que lemos nos dá conta de uma luta entre os servos de Deus que exemplifica com clareza a luta que temos em oração para manter os santos ativos contra o reino das trevas.
q   Quais são os ensinamentos históricos do texto que podem ser aplicados hoje na vida diária da Igreja?

1) DEUS TEM RESPOSTAS MARAVILHOSAS PARA A IGREJA QUE ORA - V 11

v   Prevaleceremos diante do inimigo quando a Igreja se envolver com a oração.
v   Em At. 12 Pedro se encontrava preso e dormindo, mas havia uma Igreja livre acordada em oração. Por volta da meia-noite, enquanto o povo orava, Deus mandou um anjo para libertar o apóstolo.
v   Enquanto a Igreja orava o anjo trabalhava. Deus nos assegura respostas milagrosas às nossas orações.

2) NA ORAÇÃO DA IGREJA TODOS TÊM SUA FUNÇÃO - V. 12

Ø   Muitas vezes queremos a posição de destaque de Moisés, mas não a de Arão e Hur.
Ø   No trono de Deus um “simples assistente” têm o galardão de ser contribuindo para o Seu Reino. Para Deus não existe hierarquia espiritual, onde um é mais importante do que o outro.
Ø   Apesar de haver hierarquia de função, todos são filhos e receberão as palavras de Jesus: “Vinde benditos de Meu Pai...”.

3) PELA ORAÇÃO DA IGREJA DEUS FAZ CUMPRIR OS SEUS PROPÓSITOS - VR.13-14

q   “Não há nada na vontade de Deus que esteja fora do alcance da oração do Seu povo”.
q   Deus é vencedor sobre todos os inimigos, mas Ele ordenou que esta vitória fosse decretada mediante o envolvimento de Sua Igreja. Deus vence os Seus inimigos através de Sua Igreja.
q   Quando negligenciamos a oração corremos o risco de ver os propósitos de Deus sendo retardados  ou manifestados através objetos estranhos ao homem.
a)   Deus usou um galo para repreender a Pedro,
b)     Um peixe com Jonas,
c)      Uma jumenta com Balaão
d)     E, se a Igreja insistir em não cumprir os Seus propósitos as Pedras nos
envergonharão ( Lc.19:40).

4) DEVEMOS ORAR PORQUE RECEBEMOS A  PROMESSAS DO DEUS QUE AGE - VR.9

q   Moisés tinha nas mãos a vara que representava a promessa de Deus de que o profeta nunca estaria só e nunca seria envergonhado pelo “silêncio de Deus”.
q   Possuímos em nossas mãos também uma vara, a vara da promessa de que se pedirmos alguma coisa segundo a Sua vontade nunca seremos envergonhados. (I Jo. 5:14-15).

CONCLUSÃO:
BÊNÇÃOS DECORRENTES DA ORAÇÃO CONJUNTA DA IGREJA:

1) O ESPÍRITO DE ORAÇÃO É APROFUNDADO -“Nada é mais calculado para gerar um espírito de oração do que unir-se em oração com a Igreja”. (Finney) O fogo da oração se alastra quando gravetos secos são ajuntados dentro do braseiro de Deus (a Igreja).

2) O AMOR PELOS IRMÃOS E A UNIDADE SÃO INTENSIFICADOS - (Finney) “Nada tende a unir mais o coração dos cristãos do que orar juntos. Eles jamais amam uns aos outros tanto como quando testemunham o derramar do coração uns dos outros em oração”.

3) A FÉ É FORTALECIDA - Um coração aquece o outro. Uma oração põe em chamas outra oração. A fé fortalece a fé. Quando não nos envolvemos na oração da Igreja, freqüentemente nossa fé é enfraquecida.

4) PROCURA-SE VASILHAS VAZIAS - II RS. 4:1-7

O óleo da oração encherá as vidas que se apresentarem vazias de si mesmas, mas cheias do desejo de viver integralmente a Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários serão lidos pelo autor, só serão respondidos os de grande relevancia teológica, desde já agradeço pela visita.