Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 24 de março de 2010

TRANSFORMANDO O SOFRIMENTO EM VITÓRIA.

TEXTO: MC.15.16-21

INTRODUÇÃO.

O sofrimento pode ser vencido? Pergunta parece ter uma resposta direta sim ou não. Na pratica pessoas tem dado respostas diferentes a essa pergunta:
a)- Àqueles que se conformam com a experiência do sofrimento.
b)- Àqueles que se revoltam com a tragédia. (dois grupos de pessoas: tornaram-se reprimidas, silenciosas e insensíveis).
c)- Àqueles que se dão por vencidos na experiência do sofrimento (não lutam, não vivem)
d)- Àqueles que enfrentam o sofrimento. Com atitude de guerra. (esses tem violentas emoções que esmagam as experiências).

Eu vejo igrejas vivendo dois drama:
1)- Crentes com problemas não resolvidos em várias áreas da vida – Desabando mágoas sobre Igreja.
2)- Crentes com problemas diversos não querendo resolvê-los – Refugiam-se nas atividades da Igreja.
Bíblia ensina: Fugir da tristeza que o sofrimento produz acaba gerando uma profunda tristeza interior.
* O que fazer em situações adversas, como contorna-las? Devemos fugir?

JO.6:10-13: Texto nos dá indícios de que havia ali 3 comportamentos deferentes mas ninguém fugindo: A multiplicação dos pães e peixes.
a)- Multidão: Era de expectativa pelos milagres de Jesus. Esqueceram tempo e distância de casa.
b)- Discípulos: Era de medo. Sentiram-se responsáveis pelo povo e não tinham solução problema.
c)- Jesus: Era de muita serenidade. Estava tranqüilo e confiante no propósito de Deus àquele povo.
* Texto fala de Cristo a caminho do calvário. E de um homem, da cidade de Cirene (Norte da África) pai de Alexandre e Rufo, é um homem cumprindo a sua obrigação familiar e social. VS.21: “Passava vindo do campo”. Se tornou vítima da circunstancia, sendo obrigado a carregar a cruz de Jesus Cristo.
01- COMO ESSA CIRCUNSTÂNCIA MUDOU A VIDA DE SIMÃO?
02- COMO UMA SITUAÇÃO CASUAL MUDOU A HISTÓRIA DE SIMÃO?

1º. – A CRUZ LEVOU SIMÃO À COMPANHIA DE JESUS.

* Pergunte a alguém revoltado: para que serve a cruz que ele carrega? “É a minha miséria, símbolo da minha humilhação”.
* Pergunte a alguém Pessimista: para que serve a cruz que carrega? “É para me lembrar que não há esperança, que tudo é ilusão e sofrimento”.
# Pudéssemos perguntar a Simão, ele diria:“Serviu para eu ter a companhia de Jesus”.
Ninguém naquela multidão desfrutou da companhia de Jesus como Simão:
a)- Soldados: Empurravam a Cristo e cuidavam da ordem da procissão.
b)- Multidão: Dividida. – Menor parte chorava e sofria – Maior massa festejava.
c)- Simão: Desfrutava do olhar terno e do coração perdoador e curador de Jesus Cristo.
Simão andou na companhia de Jesus graças a uma cruz, a um imprevisto.
* Imprevistos existem para os homens e não para Deus, para Deus tudo é propósito. DN.3.19-28: Para que serviu a fornalha aos 3 amigos de Daniel?
a)- Para desfrutarem da companhia de Deus numa fornalha inesperada.
b)- Para ficar provado que Deus quando quer o fogo não queima nem deixa cheiro de cinza.
AT.27.14-44: Para que serviu o naufrágio de Paulo na ilha de Malta?
a)- Para Paulo receber visitação Deus durante uma noite fria e perigosa envolvida pela morte. E Deus veio dizer a Ele que a Vida triunfaria sobre a morte – ninguém se perderia.
b)- Para provar que Deus quando quer oceano vira ponte para se passar a pé seco e seguro. A Cruz que era símbolo de escárnio, foi para Simão o símbolo máximo da maior companhia que ele pode ter na vida, a companhia de Jesus Cristo.

2º. – A CRUZ CUROU SIMÃO DO PRECONCEITO.

Os soldados não poderiam obrigar:
a)- Romano: Carregar a Cruz – Seria 1 afronta a cidadania romana – a raça superior.
b)- Judeu: Carregar a Cruz – Povo estava sofrendo – Atitude desta traria mais dor e amargura.
* Lançaram mão de africano, cor negra símbolo da raça inferior naqueles dias. Símbolo do povo mais fraco, gente que não tinha como se defender e vingar. Para Roma aquela viagem de Simão era humilhação e degradação. Para ele um processo de cura e libertação.
* Simão fez cura interior sem entrar no gabinete pastoral ou deitar no divã de um psicanalista. Simão fez cura interior sem palavra alguma, sem nenhuma oração, só estando lado a lado, caminhando com Jesus, carregando a Cruz.
* Talvez você se escuse dizendo: Eu não sofro nenhum tipo de preconceito, nenhuma discriminação: há dois tipos de preconceito:
1) O Público e Externado: aqueles que pessoas manifestam abertamente, racial, social, religioso.
2)O Secreto e Interiorizado: quando pessoas manifestam de forma sutil, olhar, gesto discreto, diplomacia. Em grupos de iguais se você não é do grupo eles não conversam seu assunto mais os deles você é discriminado. Deus não faz acepção de pessoas.

Simão escreveu uma página da história da raça africana: foi o responsável por acender a fogueira da liberdade daquele povo contra a escravidão..
Tudo porque carregou a Cruz da liberdade. DAQUELA CRUZ VEIO LIBERTAÇÃO – Daquela cruz veio a cura e total redenção.
* CL.3.11: “Não há grego, nem Judeu, nem bárbaro, nem escravo nem livre: Porém Cristo é tudo em todos” Diz: Cristo destruiu o preconceito, Cristo não faz acepção de raça de pessoas, Cristo não tem uma raça predileta mais ama o mundo todo de tal maneira.

3º. – A CRUZ DEU A SIMÃO UMA NOVA DIMENSÃO PARA SUA FAMÍLIA.

* Quem são os filhos de Simão, Alexandre e Rufo antes do pai carregar a cruz? São pessoas anônimas, gente desconhecida, sem história digna de jornal.
* Após a experiência do pai essa família teve sua história mudada.
LIÇÃO: Quando Jesus entra no nosso coração a vida se torna muito séria.
* Isto porque a vida tem que ser vivida a partir da visão de Deus. E a família de Simão passou a viver a vida com muita seriedade, passou a viver a vida com a visão e os princípios de Deus.
* Os filhos de Simão foram citados nos Evangelhos de uma forma a entender que foram proeminentes e conhecidos homens de Deus.
* Simão nos ensina: Que ele não carregou a cruz até o calvário, ele carregou a cruz até a sua casa, sua família também recebeu a cruz.
* A cruz só tem valor se ela sair do passado e vir para o nosso presente. A cruz precisa sair do calvário e ser cravada dentro da nossa casa. A cruz precisa deixar de ser história e ser realidade na nossa família. A cruz erguida em casa é a certeza de conversões familiares. É o coração do pai convertido ao filho, da mãe convertida a filha, do marido a mulher, etc.

CONCLUSÃO.
SIMÃO TRANSFORMOU O SOFRIMENTO EM VITÓRIA.

Um comentário:

  1. temos que ter esta concepcao quando passamos por sofrimento,aprendi muito com esta mensagem,nao deixe de postar mensagens pastor,tem sido uma bencao nao so para mim mais para todos os leitores,e que amam uma palavra revelada,temos visto pouco isso ultimamente......Deus o abencoe

    ResponderExcluir

Os comentários serão lidos pelo autor, só serão respondidos os de grande relevancia teológica, desde já agradeço pela visita.